Espanha condena três por racismo contra Vini Jr. do Real Madrid

A Justiça da Espanha condenou nesta segunda-feira, 10, três torcedores do Valencia a oito meses de prisão por proferirem insultos racistas contra o atacante brasileiro Vinicius Jr., do Real Madrid, durante partida do campeonato espanhol, em maio de 2023.

Eles foram condenados por delito contra a integridade moral, com agravante de discriminação por motivos racistas. Além do tempo de detenção, os torcedores também foram proibidos de ir a estádios por dois anos.

No X, antigo Twitter, o atacante brasileiro celebrou a decisão judicial.

“Muitos pediram para que eu ignorasse, outros tantos disseram que minha luta era em vão e que eu deveria apenas ‘jogar futebol’.

Mas, como sempre disse, não sou vítima de racismo. Eu sou algoz de racistas. Essa primeira condenação penal da história da Espanha não é por mim. É por todos os pretos.

Que os outros racistas tenham medo, vergonha e se escondam nas sombras. Caso contrário, estarei aqui para cobrar. Obrigado a La Liga e ao Real Madrid por ajudarem nessa condenação histórica. Vem mais por aí…”

Em comunicado, o Real Madrid afirmou que os condenados “assumiram a sua responsabilidade criminal e tornaram pública uma carta de desculpas dirigida ao nosso jogador Vinicius Junior, ao Real Madrid CF e às demais pessoas que se sentiram denegridas e ofendidas pelo seu comportamento”.

Além de demonstrarem seu pesar, os três acusados ​​pedem em sua carta aos torcedores que banam das competições todos os vestígios de racismo e intolerância.

Em nota, a LaLiga, entidade que administra o campeonato espanhol, disse que esta é a primeira sentença condenatória deste tipo na Espanha. “Esta sentença é uma grande notícia para a luta contra o racismo na Espanha, já que repara o dano sofrido por Vinicius Jr. e lança uma mensagem clara às pessoas que vão a um estádio de futebol para insultar: de que a La Liga os detectará, denunciará e haverá consequências penais para eles”, afirmou o presidente da entidade, Javier Tebas.

“Entendo que possa haver certa frustração pelo tempo que essas sentenças levam para serem proferidas, mas isso demonstra que a Espanha é um país garantista a nível judicial”, acrescentou.

Relembre o caso

Em uma das partidas, Vini Jr. foi chamado de “macaco” por torcedores do Valencia durante partida disputada em 21 de maio de 2023.

Após ser expulso por revidar a agressão, o jogador desabafou: “Não foi a primeira vez, nem a segunda e nem a terceira”.

“O racismo é o normal na LaLiga. A competição acha normal, a Federação também e os adversários incentivam. Lamento muito. O campeonato que já foi de Ronaldinho, Ronaldo, Cristiano e Messi, hoje é dos racistas”, acrescentou.

“Uma nação linda, que me acolheu e que amo, mas que aceitou exportar a imagem para o mundo de um país racista. Lamento pelos espanhóis que não concordam, mas hoje, no Brasil, a Espanha é conhecida como um país de racistas”, continuou.

“E, infelizmente, por tudo o que acontece a cada semana, não tenho como defender. Eu concordo. Mas eu sou forte e vou até o fim contra os racistas. Mesmo que longe daqui”, finalizou o atacante brasileiro.

Previous post Rede Globo pode falir nos próximos anos; diz inteligência artificial
google.com, pub-1493856782872548, DIRECT, f08c47fec0942fa0